Acompanhe também as nossas redes sociais

Segurança

Polícia indicia pai e filho suspeitos de golpear adolescente com facão, em Iporá

De acordo com a família do garoto, ele está internado Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) e corre riscos de perder os movimentos da mão.

Publicado

em

O adolescente de 14 anos corre risco de perder os movimentos da mão direita.

A Polícia Civil indiciou pai e filho suspeitos de usar um facão para golpear um adolescente de 14 anos na porta da casa deles, em Iporá. As agressões ocorreram no último dia 10 de maio, e o menino está desde então internado no Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol). A família da vítima afirma haver risco de ele perder os movimentos da mão direita.

De acordo com o delegado Ramon Queiroz, a mãe do menino alega que houve um mal-entendido. Já os suspeitos admitem o ocorrido, mas alegam que se defendiam de uma suposta agressão anterior.

O incidente aconteceu no período da tarde, quando o menino voltava da escola na companhia de colegas. Durante o caminho, ele teria parado na porta da casa de um dos amigos para brincar.

Em depoimento, a mãe do adolescente disse que, no meio da brincadeira, um colega pisou no pé dele. O garoto teria então feito um xingamento, e os suspeitos, que saíam de casa no momento, acharam que o jovem falava com eles.

Os suspeitos, identificados como os comerciantes Maykon Deyvid da Silva Souza, de 19 anos, e Deusdete Gonçalves de Souza, de 48 anos foram liberados após prestarem depoimento. Em entrevista eles relataram que é comum haver jovens usando drogas em frente à casa deles e que sentem medo.

De acordo com Deusdete ao sair de casa ele foi agredido pelos adolescentes com um tijolo. “Eu abri o portão da minha casa junto com a minha esposa e vinha um jovem de lá para cá com um tijolo na mão. Eles estavam em quatro jovens lá, com tijolo na mão. Ele acertou o tijolo na minha cabeça. O meu filho, apavorado, vendo o tijolo ensanguentado, ele só lembrou do facão. E aí foi onde aconteceu”, declarou um dos suspeitos.

O delegado disse que não foram encontradas porções de drogas na região. Um vídeo feito pela mãe da vítima mostra marcas de sangue no tijolo e no portão da casa. Fotos mostram como ficou o pulso e o pé da vítima.

A família do menino está assustada com o ocorrido e preferiu não se identificar. “Ele vem do nada e efetuou os golpes. Se ele tinha rixa com algum dos colegas, nós não sabemos”, afirmou um parente do jovem.

O garoto está cursando o oitavo ano do ensino fundamental. A família informou que ele já passou por uma cirurgia no pulso e nos próximos dias deve passar por outra, pra tentar recuperar os movimentos. Enquanto isso a família pede Justiça.

“Do jeito que eles fizeram com o meu menino, podem fazer com outros também, né?”, afirmou um parente do adolescente”

A vítima ainda não foi ouvida pela polícia, por estar internada. A expectativa é de que ao longo da semana o garoto tenha alta e preste depoimento. O delegado informou estar tentando identificar testemunhas.

“Eles vão responder por lesão corporal grave ou gravíssima, conforme o laudo que o IML fizer após a saída dele do hospital”, explicou Queiroz. O prazo para conclusão do inquérito é 30 dias.

Continue lendo

Em Goiás

Sugira uma pauta

É expressamente proibido a utilização do conteúdo aqui publicado em mídias on-line ou impressas. Diário do Interior | Todos os direitos reservados.