Acompanhe também as nossas redes sociais

Cidades

Juíza nega pedido de liberdade provisória a homem acusado de sequestrar criança em Caiapônia

Sequestro ocorreu na última segunda-feira (18/6), menina foi resgatada no dia 20 e o suspeito preso.

Publicado

em

A juíza Gabriela Maria Oliveira Franco, da comarca de Caiapônia, converteu a prisão cautelar de Esequiel Severino Mendonça em prisão preventiva, durante audiência de custódia realizada nesta sexta-feira (22). O homem é acusado de ter sequestrado uma menina de 9 anos.

A defesa do indiciado requereu a revogação da prisão preventiva, enquanto o representante do Ministério Público do Estado de Goiás se manifestou por sua manutenção. A magistrada ressaltou que, para que seja decretada a prisão preventiva, é necessário que seja verificado se há prova da existência do crime e indício suficiente da autoria, além da configuração de ameaça à garantia da ordem pública ou da ordem econômica.

Gabriela Franco informou que a conveniência da instrução está justificada no fato de que a segregação do investigado possibilitará uma maior liberdade de participação dos envolvidos na investigação, evitando possíveis ameaças contra a vítima e as testemunhas. Além disso, disse que a garantia da aplicação da lei penal fundamenta-se na possibilidade de o acusado fugir do distrito da culpa, “como supostamente já o fez, não sendo localizado em nenhum de seus endereços profissionais e residenciais na cidade, estando praticamente incomunicável, sobretudo em uma região possuidora de vários assentamentos rurais e de grande extensão territorial”, explicou.

“Sendo assim, diante disto, face a gravidade dos fatos, o cerceamento da liberdade do representado faz-se imprescindível para a preservação e obtenção das provas, configurando-se medida essencial para a conveniência da instrução criminal, para assegurar a aplicação da lei penal, bem como para a garantia da ordem pública”, explicou a juíza. “A prisão cautelar está justificada no resguardo da ordem pública, pois o crime investigado, além de grave, foi supostamente praticado contra criança de 9 anos de idade, sem qualquer possibilidade de se defender das possíveis atrocidades, inclusive de cunho sexual, possivelmente pretendidas pelo investigado”, afirmou.

Caso

Esequiel é suspeito de sequestrar a menina Lara Eloá Pereira de Andrade, de nove anos, na última segunda-feira (18/6) na cidade de Caiapônia.

Segundo informou a mãe da menina à polícia, ela teria saído para trabalhar por volta de 12h30 e deixado a filha sozinha em casa, como de costume. As portas teriam ficado trancadas.

Ao retornar, encontrou a casa trancada e a chave não estava no lugar que ficava todos os dias. Para desespero da mãe, a filha Lara Eloá Pereira de Andrade, também não estava em casa.

Logo, a mãe lembrou do pedreiro, que conhecia a casa e sabia que a menina costumava ficar sozinha. Por ter prestado serviço na casa da família, Lara Eloá tinha uma certa confiança no homem.

Desesperada, a mãe foi até a casa do suspeito, encontrando tudo fechado e a garagem vazia. Imediatamente, comunicou o desaparecimento à polícia e as buscas foram iniciadas pela Polícia Civil e Militar.

Imagens de um posto de gasolina, que fica na saída da cidade, mostram o suspeito abastecendo o carro. É possível também ver a imagem de uma criança no banco da frente do carro. Segundo a polícia, a mãe teria identificado como sendo sua filha.

O caso foi investigado pelo delegado Marlon Souza Luz, com o apoio de equipes da 7ª Delegacia Regional de Polícia (DRP), da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC) e também da Polícia Militar da cidade.

Lara Eloá foi resgatada no dia 20 de junho, e Esequiel preso.

Continue lendo

Em Goiás

Sugira uma pauta

É expressamente proibido a utilização do conteúdo aqui publicado em mídias on-line ou impressas. Diário do Interior | Todos os direitos reservados.