Acompanhe também as nossas redes sociais

Saúde

Iporá: Ministério Público Federal recomenda que pacientes com câncer iniciem tratamento em até 60 dias pelo SUS

Publicado

em

Daniela Sallum, Secretária de Saúde de Iporá

Secretaria de Saúde de Iporá, terá o prazo de 10 (dez) dias para que encaminhe a Procuradoria da República uma resposta pertinente ao acatamento da recomendação, enumerando as providências tomadas para o cumprimento da mesma no município.

Garantir o tratamento de paciente diagnosticado com câncer em até 60 dias, gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), ou em prazo menor, conforme a necessidade terapêutica do caso. Com esse objetivo, o Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) expediu recomendação à Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES) e às Secretarias de Saúde de Iporá, Goiânia, Aparecida de Goiânia, Itumbiara, Catalão e São Luiz de Montes Belos. Para que os respectivos municípios garantam o inicio do tratamento pelo SUS em até 60 dias para pacientes diagnosticados com câncer.

Essa é a segunda vez que o Ministério Público Federal se manifesta pelo não cumprimento da Lei federal 12.732/2012 em Iporá,  que  estipula o prazo de 60 dias para que pacientes diagnosticados com neoplasia maligna (câncer), iniciem o tratamento adequado e também pela não regulamentação e implementação do Sistema de Informação do Câncer (SISCAN), que registra, além de outros dados, a data para o início do primeiro tratamento. Em maio de 2013, o MPF  instaurou  um inquérito civil público com o objetivo de apurar o cumprimento da Lei em Iporá e nesta segundaa-feira (26) emitiu a recomendação destinada a Secretaria Municipal de Saúde para que regulamente os atendimentos a pacientes com câncer do município.

{loadposition adsense}A Lei federal nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, dispõe sobre o tratamento de paciente com câncer e estabelece prazo para seu início. A norma prevê, em seu artigo 1º, que o paciente diagnosticado com a doença receberá, gratuitamente, no SUS, todos os tratamentos necessários. Além disso, dispõe que o paciente  tem direito de  submeter-se ao primeiro tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico no prazo de até 60 dias, contados a partir da data em que for firmado diagnóstico em laudo patológico, ou em prazo menor, conforme o caso.

Saiba mais:
Ministério Público Federal investiga situação do tratamento de câncer em Iporá
Ministério Público Federal investiga cumprimento do prazo para início do tratamento de câncer em Iporá

Para o MPF/GO, a alimentação do SISCAN é essencial para o controle efetivo do cumprimento do prazo para início do tratamento. Apesar de todas as unidades da federação já terem recebido o treinamento para a utilização do sistema e todas as coordenações estaduais possuírem senha para acessá-lo, ainda há municípios que  não utilizam o módulo de gerenciamento do tempo de tratamento oncológico. Isso causa imenso prejuízo à população, diante da ausência de controle do prazo.

O procurador da República Ailton Benedito, autor das recomendações, entende que para assegurar o direito fundamental à saúde, nesse caso, é importante que todos os Municípios possuam senhas de acesso ao sistema e que a atuação conjunta da SES e das Secretarias Municipais de Saúde se concretize, garantindo-se, assim, a eficácia do SISCAN.

Desse modo, o MPF/GO recomendou à SES que providencie a liberação de acesso ao SISCAN a todos os Municípios que ofereçam tratamento oncológico. Às Secretarias de Saúde dos Municípios de Iporá, Goiânia, Aparecida de Goiânia, Itumbiara, Catalão e São Luiz de Montes Belos, o MPF recomendou o gerenciamento do início do tempo para o tratamento oncológico, com vistas a cumprir o prazo de 60 dias. Recomendou, ainda, que todas adotem medidas para assegurar a implementação da Lei nº 12.732/2012 e do SISCAN, a fim de prover à população o adequado tratamento contra o câncer. Foi fixado o prazo de dez dias para que informem ao MPF/GO sobre o acatamento das recomendações, enumerando as providências  adotadas.

De acordo com a recomendação, a Secretaria de Saúde de Iporá, terá o prazo de 10 (dez) dias para que encaminhe a Procuradoria da República uma  resposta pertinente ao acatamento da recomendação, enumerando as providências tomadas para o cumprimento da mesma no município.

Para ler a recomendação na íntegra, CLIQUE AQUI.

Continue lendo

Em Goiás

Sugira uma pauta

É expressamente proibido a utilização do conteúdo aqui publicado em mídias on-line ou impressas. Diário do Interior | Todos os direitos reservados.