Acompanhe também as nossas redes sociais

Saúde

Dengue: com 564 casos em 2014, Iporá permanece em 4° no ranking da doença em Goiás

Publicado

em

Um novo boletim da dengue em Goiás, divulgado pela Secretaria de Saúde do estado, divulgado nesta segunda-feira (10), mostra que os casos de dengue em Iporá, continuam crescendo de forma preocupante. Com 564 casos, a cidade de Iporá, permanece na 4° colocação entre as cidades com os maiores números da doença em Goiás.

Atualmente, Iporá só está com menos casos registrados que as cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia e Luziânia. Iporá permanece ainda, na lista das cidades com alto risco de contaminação.

Até o momento, mesmo estando entre as cidades com o maior número de casos do estado de Goiás, a cidade de Iporá, ainda não passou por uma mudança significativa para enfrentar a doença. A falta de material informativo, carros fumacê para atender toda a demanda e a grande quantidade de lixo esparramada pelos lotes baldios, ruas e locais próximos a cidade, mostram que a proliferação do mosquito, continua sendo combatida de forma branda, tanto pelo poder público, como pela população.

Dados do boletim, mostram que Iporá já está entre os lideres de Goiás no número de casos registrados, há cerca de trinta dias. Nos últimos cinco boletins divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde, Iporá tem ficado a frente de grandes pólos populacionais, como as cidades de Anápolis e Trindade. Mesmo com apenas 31 mil habitantes, a cidade de Iporá, chegou a ocupar a 3° colocação, ficando atrás somente das cidades de Goiânia e Aparecida de Goiânia.

Combatendo a doença

A dica é manter recipientes, como caixas d’água, barris, tambores tanques e cisternas devidamente fechados. E não deixar água parada em vidros, potes, pratos e vasos de plantas, garrafas, latas, pneus, panelas, calhas de telhados, além de outros locais em que a água da chuva é coletada ou armazenada.

Continue lendo

Em Goiás

Sugira uma pauta

É expressamente proibido a utilização do conteúdo aqui publicado em mídias on-line ou impressas. Diário do Interior | Todos os direitos reservados.